Alentejo: por que vale a pena ir além do Tejo

L1020051
Pôr do sol na Herdade da Comporta com Porto das Palafitas ao fundo

A região portuguesa conhecida como Alentejo é a maior do país e se estende do Oceano Atlântico até a fronteira com as regiões da Andaluzia e Extremadura, na Espanha.

Ao norte é limitada pela região centro-sul de Portugal e Lisboa. E ao sul pela região do Algarve, conhecida por suas praias e clima mediterrâneo, disputa com a capital do país o título de lugar mais visitado por turistas estrangeiros.

Portanto, o Algarve não é o lugar ideal para quem quer praia, sombra e água fresca. Mas o Alentejo. Refiro-me especificamente às praias da Herdade da Comporta, localizada em uma reserva natural a menos de uma hora e meia de Lisboa, banhada pelo Oceano Atlântico e águas geladas.

A Condé Nast Traveller considerou Comporta o melhor local “secreto” de praia em Portugal. Diz a revista que algumas pessoas vão querer comparar o lugar a Ibiza. Mas elas se enganam. Comporta não é Ibiza, nem St Tropez 30 anos atrás, e muito menos Trancoso (apesar de boa parte do jet-set paulistano passar pelo local durante o verão europeu).

“Comporta trilha seu próprio caminho. É diferente de qualquer lugar que você tenha estado antes”, afirma a publicação inglesa (em tradução livre para o Português).

E esta é a mais pura verdade. Inclua Comporta em sua viagem pelo Alentejo, seja começando ou terminando por lá.

Não deixe também de desbravar o interior, visitar cidades históricas, conhecer seus vinhedos e adegas, e desfrutar da culinária alentejana.

Monsaraz e Évora, assim como Comporta, obrigatoriamente devem fazer parte do seu roteiro. Mas se tiver mais tempo, inclua também Marvão, Vila Viçosa, Castelo de Vide e Elvas.

Independente do roteiro que você escolher, lembre-se: as distâncias  de carro são curtas, principalmente para nós brasileiros.

Minha sugestão é pernoitar uma noite em Marvão e conhecer Castelo de Vide. No caminho de Marvão a Monsaraz, conhecer Elvas e Vila Viçosa. Dormir uma ou duas noites em Monsaraz e uma em Évora. Depois, terminar a viagem em Comporta com pelo menos quatro dias, três noites, de estadia, e retornar a Lisboa.

Lisboa_Monsaraz_Evora_Comporta.jpg
Roteiro de Lisboa para Comporta que inclui Monsaraz e Évora (Google Maps e tempo total da viagem).
lisboa_marvao_monsaraz_evora_comporta.jpg
Roteiro de Lisboa para Comporta que inclui Castelo de Vide, Marvão, Elvas, Vila Viçosa, Monsaraz e Évora (Google Maps. Tempo total da viagem).

Mas se você optar por sair de carro de Madri, como eu fiz, meu conselho é fazer Madri – Marvão / Castelo de Vide – Évora – Comporta. E depois na volta fazer: Comporta – Monsaraz – Vila Viçosa – Elvas – Mérida (cidade romana na Espanha) – Madri.

madri_alentejo_comporta_Monsaraz
Roteiro para Comporta partindo de Madri. Inclui Castelo de Vide, Marvão, Elvas, Vila Viçosa, Monsaraz e Évora (Google Maps. Tempo total de carro).

 

Interior Alentejano

ceramica_monaraz_alentejo.jpg
Monsaraz tem a maior concentração de olarias de Portugal
monsaraz_alentejo_esquina_de_ouro
“Esquina de ouro” de Monsaraz: loja de comidas típicas; cerâmica pintada à mão e mantas e tapetes alentejano.

Cerâmicas – se você gosta de cerâmica leve uma mala vazia. A região de Monsaraz tem a maior concentração de olarias de Portugal. Aproveite a visita a um dos mais belos povoados do país e compre cerâmicas.

Junto à porta da cidade está o que eu chamaria de a esquina de ouro – Rua de Santiago com Rua do Celeiro. Primeiro uma loja de produtos típicos da região, a Casa do Tial. Ao lado, já na esquina, a loja de artesanatos e cerâmica pintada à mão. E colada nela, a conhecida loja de Mizette Nielsen, uma holandesa muito simpática que adotou Portugal como país faz mais de 30 anos, proprietária da tecelagem de mantas de lã e tapetes coloridos típicos do Alentejo.

São Lourenço do Barrocal – a poucos minutos de Monsaraz encontra-se o Hotel São Lourenço do Barrocal. As construções e estábulos da antiga fazenda, propriedade da mesma família há 200 anos, foram todos reformados para dar origem a esta hospedaria que tem simplicidade de fazenda, e sofisticação de um cinco estrelas.

sao_lourenço_do_barrocal_1
São Lourenço do Barrocal

O dono e idealizador do projeto José António Uva, oitava geração da família, também era um dos hóspedes do hotel, junto com sua mulher e filhos. Ele mesmo me contou que a propriedade foi nacionalizada durante a reforma agrária que se seguiu à Revolução dos Cravos.

Ao conseguir reaver a fazenda, ela estava completamente abandonada e destruída. Ele tinha então duas opções: deixá-la afundar ou transformá-la. Para nossa sorte, a família escolheu reabilitá-la em forma de hotel e spa.

O antigo celeiro foi transformado em restaurante, hoje decorado com fotos e objetos que contam a história da família e do local, serve pratos deliciosos da típica cozinha alentejana, obviamente utilizando os produtos locais.

são_lourenço_do_barrocal_V
Restaurante do São Lourenço do Barrocal
sao_lourenço_do_barrocal_alentejo_restaurante
Restaurante de São Lourenço do Barrocal e parede  com objetos da família
Sao_lourenço_do_barrocal_2
São Lourenço do Barrocal
Sao_lourenço_do_barrocal_alentejo_7
São Lourenço do Barrocal
Sao_lourenço_do_barrocal_alentejo_6
São Lourenço do Barrocal
sao_lourenço_do_barrocal_noite_3
São Lourenço do Barrocal

As antigas casas dos colonos e os estábulos deram origens aos quartos e apartamentos do hotel. Detalhe: todo o hotel foi decorado pela mulher de Uva, responsável também pelo restaurante Cantinho do Alvarez em Lisboa, entre outros.

A piscina foi construída no pasto junto à uma pedra, paisagem que compôs a vista da janela da pequena casa em que José Uva morou durante a restauração da fazenda.

“Me inspirei na Casa das Canoas de Niemeyer no Rio de Janeiro”, me disse ele, mas não sei se brincava ou falava sério. A pequena casa deu origem ao bar e restaurante que atende aos hospedes na piscina.

são_lourenço_do_barrocal_IV
Piscina inspirada na Casa das Canoas de Niemeyer

Dentro da propriedade também há uma loja que vende vinhos e produtos da própria fazenda e artesanato local.

Sem dúvida, o Hotel São Lourenço do Barrocal oferece o que tem de melhor em termos de hotelaria e restauração não somente na região, mas em Portugal. Se não se hospedar, vá pelo menos conhecer o restaurante. Caso se hospede ali, você vai querer voltar ao Alentejo somente por causa do hotel. É uma experiência única!

Vinhedos – os vinhedos da Cartuxa estão ao redor da linda Évora. A adega produtora do famoso Pêra-Manca limita sua venda a uma garrafa por pessoa, e somente depois da visita guiada à propriedade.

Mas a Enoteca Cartuxa no centro histórico de Évora, ao lado do templo romano, vende todos os outros vinhos de sua produção e ainda conta com um surpreendente restaurante, e explico o porquê abaixo.

Évora_Cartuxa_alentejo_portugal

Fui até lá apenas para comprar vinho, mas comecei a fazer degustação. Logo o restaurante da Enoteca começou a encher, e comecei a ver os pratos que saiam da cozinha. O lugar já estava quase lotado, e todos os clientes que chegavam sem reserva não conseguiam mesa, perguntei se poderia jantar ali mesmo, no balcão. E sim, a comida realmente estava deliciosa.

A reserva no Fialho tive que transferir para o dia seguinte. Não deixe também de conhecer o Dom Joaquim, menos turístico e muito recomendado pelos moradores de Évora.

L1020148
Restaurante e Enoteca Cartuxa

Outro vinhedo que vale a visita é a Herdade do Esporão, a 45 minutos de Évora, e 30 minutos de São Lourenço do Barrocal. Além dos vinhos, não deixe de levar alguns de seus azeites. A propriedade conta também com um restaurante. Infelizmente não tive tempo de provar a comida, mas li muitas resenhas positivas!

adega_herdade_da_comporta
A paisagem típica da região de arrozais e ninhos de cegonhas no alto dos postes. Ao fundo da foto à esquerda: adega Herdade da Comporta.

Em Comporta não visitei os vinhedos do produtor Herdade da Comporta. Mas se você quiser comprar garrafas direto do produtor, vá à adega no meio dos arrozais e ninhos de cegonhas construídos no alto de postes que enfeitam toda a região. A adega está ao lado do restaurante Museu do Arroz, a poucos metros da vila.

 

Herdade da Comporta

Como falei no começo do texto, a Comporta e praias vizinhas estão localizadas dentro de uma reserva natural. Portanto, não há hotéis a beira mar. A não ser que você se hospede na “sem charme algum” Península de Tróia.

São poucas as opções de hospedagem bem localizadas – Sublime, Cocoon Lodges e Casas na Areia – e os preços são salgados, mas vale cada centavo, principalmente se o objetivo for descansar. Há opções mais baratas de hotéis e casas rurais em Grândola ou Santiago do Cacém, porém o que se economiza em hotel, perde-se em localização.

O Hotel Sublime em Comporta faz jus ao nome. Um oásis entre pinheiros, o mar, os arrozais e os vinhedos.

O restaurante do Sublime leva o nome de Sem Porta, justamente porque é todo de vidro e se mistura à paisagem à sua volta. Não deixe de provar o arroz com frutos do mar, o polvo e o lombo de vitela!

Fuja da praia da Comporta que fica lotada. Se quer badalação, vá a Praia do Pego, muito procurada pelos VIPs principalmente por causa de seu único restaurante, o Sal. Entre uma praia e outra, pare para almoçar no Dona Bia, comida com simplicidade e qualidade à beira da estrada. Se quiser sossego, vá a praia da Aberta Nova e coma uma salada de polvo no único restaurante quiosque que há por ali. Se não quer nem muito sossego, nem muita badalação, passe o dia na praia do Carvalhal e almoce um peixe grelhado no carvão no restaurante O Dinis.

E para fechar a viagem com chave de ouro, não deixe de ver o pôr do sol no Porto das Palafitas ou curtir o fim de tarde tomando um aperitivo na vila de Comporta. Os mais consumistas também podem fazer compras nas charmosas lojinhas da vila.

L1010993

L1020046

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s